QGIS na pilha FOSSGIS governamental do Cantão de Solothurn, na Suíça

Solothurn

O cantão de Solothurn fornece serviços e infra-estrutura para 250.000 cidadãos Solothurn. No ano de 2001, o Parlamento do Estado decidiu migrar do Windows para o Linux. As motivações eram para ser independente de um fornecedor específico, para incentivar a livre empresa e reduzir os custos de licença. Como resultado o Departamento de SO!SIG Cantão de Solothurn começou a entregar os requisitos de SIG de mais de 3500 funcionários com uma estratégia FOSSGIS.

O primeiro passo que demos foi a introdução da UMN MapServer e da criação de um cliente SO!MAP. Que oferece um cliente WebGIS fácil de usar para todos os 3500 funcionários. O segundo passo foi a migração de todos os nossos dados geoespaciais de Shapefiles para o banco de dados espacial no PostGIS. A introdução foi muito bem sucedida, mas faltou uma área de trabalho SIG fácil de usar.

Após avaliação de uma área de trabalho SIG diferente, decidimos usar QGIS em conjunto com a GRASS, substituindo ESRI ArcInfo e ArcView3 em 2006.

A decisão foi conduzida pelos seguintes aspectos:

  • Devido ao nosso uso de SIG desktop num ambiente de servidor com Terminal Linux, o Java não é opção.
  • Organização do Projecto OSGeo
  • Tradução do GUI em língua alemã
  • Documentação escrita em língua alemã
  • Um programador activo (Marco Hugentobler) perto de Solothurn na Suíça.
  • Nós podemos contratar o Marco Hugentobler para implementar elementos perdidos /em falta como a Digitalização e a composição de mapas.
  • Desenvolvimento da Aplicação e Módulo em Python
  • Crescente comunidade de usuários
  • Comunidade de programadores muito activa
  • Independência de um único sistema operativo

Onde usamos o QGIS

Em contraste com os mapas interactivos servidos pelo UMN MapServer , o SIG Desktop tem para oferecer uma visão flexível aos dados geoespaciais de Solothurn. QGIS SIG desktop está em uso por mais de 50 usuários para o trabalho diário. Mas muitos deles não são especialistas em SIG. Eles querem visualizar e / ou capturar dados geoespaciais com uma interface de usuário intuitiva.

Uma dos itens mais importantes do SIG Desktop é a questão: “Como faço para obter as informações a partir do repositório de dados geográficos PostGIS que preciso?”. Desde que nossos usuários finais não são familiarizados com modelos de dados e as estruturas subjacentes do nosso banco de dados espacial, oferecendo aos usuários uma conexão direta para o PostGIS DB não era uma opção. Temos um banco de dados de metadados que armazena a descrição de todos os dados de produção chamado ‘SO!DATA”.

SO!DATA contém um inventário humano legível dos modelos de dados e usários Não-Experiente-SIG tem a facilidade de usar esse banco de dados para descobrir a informação de que necessitam.

"SO!GIS Layer" plugin developed at the Canton of Solothurn

Módulo “SO!GIS Layer” desenvolvida no Cantão de Solothurn

Para remover a necessidade dos usuários finais interagir diretamente com conexões PostGIS e diálogos de seleção de tabela, um plugin foi desenvolvido em python. O plugin é chamado “SO!GIS Layer” (Veja a Figura 1). O plugin se conecta ao Repositório SO!GIS PostGIS, obtém as informações de todas as camadas de dados geoespaciais publicados a partir de SO!DATA e oferece ao usuário uma interface gráfica para encontrar as camadas de dados que ele precisa. Com esta infra-estrutura no lugar, nossos usuários estão satisfeitos — eles podem se preparar para geoprocessamento, edição e composição de mapas de forma individual.

"SO!GIS Suche" plugin developed at the Canton of Solothurn

Módulo “SO!GIS Suche” desenvolvido no Cantão de Solothurn

Outro plugin QGIS necessário que criamos é chamado de ‘SO!GIS Suche “. Isso proporciona a possibilidade de procurar locais como municípios, endereços ou partes cadastrais (ver Figura 2). Como resultado, o usuário é capaz de navegar com muita facilidade em uma área de interesse.

No momento muitos outros plugins estão em desenvolvimento. Estes irão suportar a manipulação de dados, análise ou mapeamento para diferentes projetos. Nossos plugins em desenvolvimento abrangem temas como reservas naturais, a conservação do solo, verificação de dados cadastrais, gerenciamento de crises, locais abandonados e assim por diante.

Conclusão

Hoje podemos dizer que usar o QGIS foi a decisão correta para nós. O QGIS oferece a maioria dos recursos solicitados pelos nossos usuários. O cantão de Solothurn subcontrata a criação de funcionalidades que QGIS carece através de fornecedores com suporte comercial. Com p PyQgis e o PyQt existem excelentes opções para facilitar o desenvolvimento de aplicações in-house baseado no QGIS. Um grande benefício é o número ilimitado de instalações. Todos os que precisam usar o QGIS podem usá-lo sem quaisquer limitações. Para impulsionar o desenvolvimento do QGIS o cantão de Solothurn investiu aproximadamente $ 30.000 no QGIS todos os anos desde 2007. Isto é muito mais eficiente e orientado para objetivos que o pagamento do apoio numa caixa negra do nosso ex-fornecedor de software. Além de usar FOSSGIS, o cantão de Solothurn também fornece dados geográficos público gratuitamente através do Portal web SO! ONLINE.

Autor

Horst Düster

Horst Düster

Este artigo foi contribuído em Maio de 2009 pelo Dr. Horst Düster. Ele é coordenador SIG no Departamento de Geoinformação no Cantão de Solothurn, Suíça.